Amigos Multifloranet

SETE-SANGRIAS

13:56 Posted by Multiflora Fernandopolis



NOME CIENTÍFICO: Cuphea cartheginensis Jacq. Macbr.
FAMÍLIA BOTÂNICA: Lythraceae.
SINONÍMIA: Guanxuma-vermelha, balsamona, chiagari, erva-de-sangue.
HABITAT: Espécie autóctone que cresce espontaneamente em áreas ruderais, campos, áreas de aluvião, pastagens, gramados, quintais, hortas, capoeiras, a beira de estradas e em áreas agrícolas abandonadas.
FITOLOGIA: Planta herbácea anual. Apresenta crescimento ereto e ramificado. Caule avermelhado revestido de pilosidade glandulosa purpúrea. A planta cresce 30 a 50cm. Suas folhas são opostas, pecioladas, de ápice e base agudos. A face dorsal é mais hirsuta e clara que a superior. Inflorescências axilares em pequenos cachos, com flores de coloração avermelhada ou violácea, com duas pétalas dorsais menores que as outras. Fruto tipo cápsula contendo 6 a 8 sementes.
SOLO: Prefere solos úmidos, brejosos e arenosos.
AGROLOGIA:
·      Espaçamento : 0,3 x 0,3m.
·      Propagação: sementes, semeadas em bandeja de isopor contendo substrato organo-mineral.
·      Plantio: início da primavera.
·      Florescimento: verão até o outono.
·      Colheita: ano todo. Ocorre 100 a 110 dias após o plantio.
PARTES UTILIZADAS: Toda planta.
FITOQUÍMICA: Glicosídeos.
PROPRIEDADES ETNOTERAPÊUTICAS: Depurativa do sangue, anti-reumática, cardiotônica, diurética, diaforética, febrífuga e anti-sifilítica, hipocolesterolêmica, antiobésica, anti-hipertensiva, antiobésica, sedativa e tônica.
INDICAÇÕES: Indicada para arteriosclerose, doenças venéreas, afecções da pele, eczema, feridas, úlceras, furúnculos, palpitações cardíacas. Promove a limpeza dos intestinos e rins.
ATIVIDADE BIOLÓGICA: Apresenta forte atividade contra bactérias Gram-positivo.
FORMAS DE USO: Decocção: ferver 1 a 2 colheres das de chá  da planta em 1 xícara das de chá. Tomar 4 a 5 xícaras ao dia.

Perigo - Jequiriti

01:45 Posted by Multiflora Fernandopolis



O Jequiriti (Abrus precatorius L.) também conhecida como ervilha-do-rosário ficou mundialmente conhecida por causa do filme A lagoa azul, onde o casal mastigava seu fruto proibido e acabava morrendo.
Planta de clima tropical e de baixas altitudes é encontrada geralmente junto aos troncos de árvores, seu principal atrativo são seus cachos avermelhados e convidativos, que são fatais ao serem mastigados.
Rica na substancia abrina esta bela espécie ao ser mastigada provoca a aglutinação das células vermelhas do sangue, formando coágulos e impedindo a circulação corpórea. Os extratos e infusões desta planta uma vez em contato com os olhos provoca lesões graves.
È encontrada na Índia, Tailândia, nas Ilhas Filipinas e na Africa Tropical onde atinge seus 60cm de altura, suas folhas atingem de 5 a 10 cm de comprimento, suas flores violetas são juntas em cachos de onde surgem suas vagens de 3 a 5 frutos tóxicos.
Mas na Natureza nem tudo deve ser desprezado, pois, esta bela espécie também além de mortal pode ser utilizada para a cura de algumas doenças, suas sementes podem ser utilizadas para tratar a diabetes com resultados satisfatórios, o extrato e o leite da planta é utilizado para curar feridas causadas por animais domésticos e misturada com outros ingredientes é usada para tratar o tétano e a raiva.  
O salvamento em caso de ingestão acidental inclui lavagem gástrica e remédios anticoagulantes.



Fortuna

16:28 Posted by Multiflora Fernandopolis



NOME CIENTÍFICO: Kalanchoe pinnata [Lam.] Pers.
FAMÍLIA BOTÂNICA: Crassulaceae.
SINONÍMIA: Coirama, erva-da-costa, folha-da-costa, folha-da-fortuna, folha-de-pirarucú, folha-grossa, orelha-de-monge, paratudo, roda-da-fortuna, saião.
HABITAT: Espécie alóctone originária das Molucas ou ilha Maurício. Devido a sua fácil disseminação e aclimatação, é subespontânea em todos os países tropicais, sobretudo no litoral dos continentes e ilhas. Cresce subespontaneamente em áreas ruderais.
FITOLOGIA: Planta sublenhosa perene que cresce 60cm em altura, na fase vegetativa e até 1,40m na reprodutiva. Possui caule tubular, mosqueado de púrpura, carnoso, cilíndrico e glabro. As folhas são opostas, as inferiores simples, as superiores 3-lobadas, glabras, longo-pecioladas, suculentas, carnosas, espessas, ovalado-crenadas. As flores são hermafroditas, tubulosas, pêndulas, monopétalas, verde-pálidas ou amarelo-avermelhadas, dispostas em espigas terminais. O fruto apresenta carpelos escamosos que se tornam folículos polispermos, incluso em invólucro papiráceo.  As folhas tornam-se cloróticas e avermelhadas no inverno e apresentam altíssima capacidade de manutenção da turgescência, mesmo após serem explantadas.
CLIMA: Espécie de clima tropical, xerófila e heliófita, embora vegete bem à sombra.
SOLO: Cresce bem em solos arenosos e pedregosos. É nitrófila, preferindo locais com resíduos orgânicos.
AGROLOGIA:
·      Espaçamento: 1,0 x 0,4m.
·      Propagação: folhas e segmentos das crenas das folhas. Formam-se brotações em cada enseada lobular da folha. Obtém-se de 15 a 20 plântulas a partir de uma única folha.
·      Plantio: ano todo. As folhas ou segmentos dela podem ser plantados diretamente a campo.
·      Adubação: em solos com pouca matéria orgânica é importante a aplicação de adubo orgânico, de 2 a 3kg/m2.
·      Florescimento: primavera. A frutificação não ocorre devido ao abortamento das flores.
·      Desenvolvimento: por ser muito prolífica, tem tendência de ser infestante. Deve-se renovar a planta no campo a cada 2 a 3 anos.
·      Colheita: Inicia-se 3 a 4 meses após o plantio. As folhas, após serem colhidas, mantém sua vitalidade, em condições sombreadas por até 30 dias, no inverno, e 20 dias no verão.
PARTES UTILIZADAS: Folhas frescas.
FITOQUÍMICA: Mucilagem, taninos, glicosídeos (quercitina), sais minerais, quercetina 3-0-a-arabinopiranosil (1®2)-a-L-ramnopiranosídeo, quercitrina, afzelina, ácidos isocítrico e 1-málico (9) e briofilina.
PROPRIEDADES ETNOTERAPÊUTICAS: Bactericida, antisséptica, refrigerante intestinal, diurética, emoliente, cicatrizante, vulnerária, resolutiva, tônica pulmonar, antiartrítica, antidiabética, antilítica, calmante para erisipela, hemostática, depurativa, antiinflamatória externa tópica e diurética
INDICAÇÕES: Usada também para febre, estomatite, coqueluche, afecções respiratórias (na forma de xarope), gastrites, úlceras digestivas, afta, calo, frieira, picada de insetos, verruga, tuberculose pulmonar, furúnculos, feridas, queimadura, abcesso, ingurgitamento linfático, edemas erisipelosos das pernas, cálculo renal, cefalalgias, enxaqueca, contusões, impetigo, flegmão e oftalmia congestiva.
FARMACOLOGIA: O extrato aquoso, etanólico ou o suco demonstra atividade imunosupressiva e imunoestimulante. Apresenta forte ação inibidora seletiva sobre a proliferação e expressão do receptor IL-2Ra em linfócitos, em ratos, protetora cutânea contra leishmaniose, além de aumentar a produção de ácido nítrico. Apresenta ainda atividade analgésica, antialérgica e antiinflamatória.
ATIVIDADE BIOLÓGICA: Apresenta atividade antifúngica e antibacteriana.
FORMAS DE USO:
·      Geral: 20 a 40g/dia, na forma de suco.
·      Cataplasma: aquecer a folha e colocar sobre o local afetado (furúnculos e dores de cabeça). Em queimaduras ou outros ferimentos, fazer uma pasta com a folha e colocar sobre a região machucada (cicatrizante).
·      Suco: bater no liqüidificador 1 folha com 1 xícara de água. Tomar duas vezes ao dia, entre as refeições (úlceras e gastrites).
OUTRAS PROPRIEDADES:
·      A planta é ornamental.

·      Constitui-se em ótima cobertura de solo.

Batata de Porco

16:15 Posted by Multiflora Fernandopolis



 NOME CIENTÍFICO: Boerhavia diffusa Willd. var. diffusa.
 FAMÍLIA BOTÂNICA: Nyctaginaceae.
 SINONÍMIA: Agarra-pinto, amarra-pinto, batata-de-porco, beldroega-grande, bredo-de-porco, celidônia, pega-pinto, solidônia, tangará, tangaracá, Erva-tostão.
 HABITAT: Espécie autóctone, originária da América tropical, que ocorre em capoeiras, áreas ruderais, ilhas, bosques e beira de estradas. É uma planta rara em Santa Catarina, ocorrendo principalmente na faixa litorânea.
 FITOLOGIA: Planta herbácea vivaz, rasteira. Os ramos crescem de 50 a 70cm de comprimento. Caule sublenhoso na parte inferior e herbáceo nas partes jovens, muito ramificado, liso, glabro e tortuoso A raiz é arroxeada por fora e branca por dentro. As folhas são redondas, opostas, anisofólias, ovalado-cordiformes ou reniformes, base arredondada, ápice obtuso ou arredondado, margens inteiras ou serrilhadas (folhas novas), glabras ou pouco pubescente, verde ventralmente e argêntea, dorsalmente. As flores são vermelhas e brancas, campanuladas, dispostas em panículas terminais de aspecto difuso, com 20 a 25cm de comprimento, reunindo 3 a 6 flores. O fruto é uma baga pequena, piriforme, coberto de pêlos glandulosos, castanho-amarelado, fosco, espesso, resistente e pegajoso.
 CLIMA: Embora seja de clima tropical, adapta-se bem ao subtropical. É heliófita.
 SOLO: Desenvolve-se bem em solos pobres, arenosos e pedregosos, de preferência úmidos.
 AGROLOGIA:
·        Espaçamento: 0,4 x 0,40m
·   Propagação: sementes (antocarpo gomoso que prende-se às roupas e pêlos) e rizoma. A semeadura pode ser feita diretamente em sulcos, em canteiros, ou em bandejas de isopor contendo substrato organo-mineral.
·      Plantio: outono
·      Florescimento: outubro a fevereiro.
·      Colheita: verão.
 PARTES UTILIZADAS: Raízes.
 FITOQUÍMICA: Boerhavina, ácido boerhávico e resinoso, amido, matéria sacarina, substâncias pécticas e gomosas, sais inorgânicos (nitratos) e lipídeos.
 PROPRIEDADES ETNOTERAPÊUTICAS A raiz é peitoral, desobstruente, diurética, antiblenorrágica, antileucorréica, antidispéptica, antinefrítica e anti-hidrópica.
 INDICAÇÕES: As raízes são utilizadas no tratamento da vesícula biliar, hemoptise, retenção de urina, béri-béri, afecções hepáticas, dispepsia, albuminúria, cálculo biliar, engorgitamento do baço, nervosismo, anúria, cistite, congestão hepática, hepatite, uretrite, icterícia. É utilizada, em decocção, para o preparo de cataplasmas para a picada de cobras.
 FORMAS DE USO: ·      Decôcto: deixa-se a planta ferver em água durante 10 a 15 minutos. Após, tapar e deixar esfriar. Tomam-se 4 a 5 xícaras ao dia .
 OUTRAS PROPRIDADES: A planta, principalmente a raiz, tem sabor picante, levemente amarga.

Canambaia

11:09 Posted by Multiflora Fernandopolis



Nome Científico: Rhypsalis capilliformis Weber.
Família Botanica: Cactaceae.
Sinonimia: Cabelo-de-anjo, conambaia, ripsalis.
Habitat: Encontra-se disseminada por toda mata atlântica subtropical, ocorrendo sobre ramos inferiores de árvores antigas.
Fitologia: Planta epífita de caule pêndulo, verde-claro, herbáceo, sub-cilíndrico, composto de 4 a 5 artículos medindo 4 a 8cm de comprimento por 3 a 4mm de espessura. Flores terminais campanuladas de cor creme. Fruto tipo baga de cor branco-hialina.
Clima: É subtropical e esciófita. Desenvolve-se numa faixa de temperatura de 20 a 30oC.
Agrologia:
·    Ambiente: as mudas devem ser enraizadas em substrato de xaxim e/ou húmus e estabelecidas em ambiente sombreado (bosque, túnel de sombrite 70% ou mais). Poderão ser utilizadas árvores como base do agroepifitismo da planta. Neste caso, procurar amarrar as mudas sobre ramos sombreados que tenham musgos sobre a casca,  facilitando o pegamento da muda.
·      Propagação: sementes, estacas dos ponteiros  e mudas obtidas na mata.
·      Plantio: deve ser feito nas estações mais chuvosas do ano, menos no inverno.
·      Colheita: inicia no segundo ano após o plantio.
Partes Utilizadas: Artículos.
Propriedades Etnoterapeuticas: Indicada para o tratamento de úlceras, escorbuto, febres gástricas e biliosas.








Girassol - Planta Valiosa

08:21 Posted by Multiflora Fernandopolis






O girassol é uma planta de grandes possibilidades financeiras já que cerca de 90% de suas plantações são utilizadas na produção de óleos.
Muito valorizado, o girassol consolida sua participação no mercado mundial, devido seu alto teor concentrado de óleo por grão, que chega a responder por quase metade da planta.
Cultivado pelos índios americanos a mais de 3 mil anos, o girassol foi uma das últimas plantas comerciais a serem transformadas em gênero agrícola pelo homem.
Além da beleza outra vantagem do girassol é que o líquido da planta é bem versátil, servindo também como matéria-prima para sabonetes e tintas.

Perigo - Comigo-ninguém-pode

11:23 Posted by Multiflora Fernandopolis



COMIGO-NINGUÉM-PODE (Dieffenbachia picta Schott)
Planta comum na maioria dos lares brasileiros pela cultura tradicional repassada através dos tempos de que determinadas plantas possuem poder para espantar azar, mau-olhado e oferecer proteção. Esta crendice popular serviu de combustível para a propagação em massa desta bela e perigosa folhagem.
Mas por que esta espécie é tóxica? O caule e as folhas têm cristais de oxalato de cálcio, substância que provoca inflamações no corpo.
Quando mastigada, a planta fere as mucosas da boca, faringe e cordas vocais. A inflamação causa inchaços que impedem a passagem do ar e podem levar à asfixia
A vítima deve receber cuidados médicos em hospital onde certamente receberá analgésicos contra a inflamação e passará por uma lavagem gástrica.

Dica: Tomar leite e óleo de oliva ajuda a eliminar a toxina
Curiosidade: Nos Estados Unidos, ela é conhecida como "cana de mudo", já que o inchaço impede a pessoa de falar até que a inflamação melhore. Todas as variações desta espécie são igualmente tóxicas, afastar do alcance de crianças e pequenos animais domésticos ajuda a evitar acidentes. 

Related Posts with Thumbnails
Fique sempre atualizado!
Receba nossos artigos por e-mail